Os efeitos do cigarro também atingem quem não tem voz para reclamar: sim, cães e gatos domésticos também sofrem como fumantes passivos.

Saiba quais são os principais malefícios, como reduzir o impacto e como mudar o hábito com a ajuda do seu pet neste post!

Cigarro faz mal para cachorros: os efeitos do cigarro em cães e gatos como fumantes passivos.

A fumaça do cigarro contém mais de 7.000 compostos químicos, sendo muitos destes tóxicos ou cancerígenos. A exposição passiva a esta fumaça não passa sem riscos.

Tutores conscientes destes malefícios precisam entender que eles afetam também a vida de cães e gatos.

Um estudo realizado com mais de 400 cães indicou que a probabilidade deles desenvolverem câncer de pulmão aumenta 60% ao dividirem a residência com um fumante ativo.

Além disso, aumenta-se também o risco de infecções nos olhos, alergias e outros problemas respiratórios. 

Um dos estudos mais proeminentes dos efeitos do fumo passivo nos pets é orgulhosamente brasilero, realizado pelos doutores Marcello Roza e Carlos Viergas, da Universidade de Brasília. 

Eles testaram uma amostra de 30 Yorkshire Terriers, sendo que metade destes residia em lares onde os moradores fumaram pelo menos 20 cigarros por dia, por um período mínimo de 24 meses. A  outra metade veio de lares sem fumantes.

Em seguida, foi feita uma medição da cotinina presente na urina destes pets, um método eficaz que pode ser usado para confirmar a exposição ambiental ao tabaco.

Adivinha só? A urina dos pets que moram com fumantes apresentaram níveis significativamente mais altos de cotinina.

Os cães em casas de fumantes ainda apresentaram níveis aumentados de macrófagos e linfócitos, prova de inflamação prolongada das vias aéreas.

O estudo conclui que estes (pobres) cães já chegam perto de apresentar efeitos negativos como se eles próprios fossem fumantes. É, cigarro faz mal para cachorro.

 

Exposição do cigarro no ambiente dos pets

Além do contato direto com a fumaça do cigarro, o hábito de fumar também deixa outros rastros que são mais imperceptíveis. 

Mesmo após arejar o ambiente, muitos dos tóxicos presentes no cigarro, como cianeto de hidrogênio, arsênico e chumbo ficam impregnados nas roupas, no pêlo, nos tapetes e outros objetos cujo seu pet tem acesso diariamente.

A ingestão acidental destes elementos não é brincadeira: gatos com o hábito de se lamber podem acabar desenvolvendo tumores na boca de tanto contato com partículas tóxicas acumuladas em seus pelos. 

Ou seja: fumar, mesmo quando seu cachorro não está no ambiente, ainda o expõe a toxinas.

Efeitos do cigarro em pets x raças

Os efeitos negativos do cigarro podem variar de acordo com a raça e espécime do seu pet.

Ao serem expostos ao cigarro por muito tempo, pets de focinho mais longo, como border collies e dobermans, têm uma tendência maior a desenvolver câncer nasal.

A explicação é que as toxinas e os cancerígenos ficam presos na maior área de superfície de contato e no muco presente nos canais nasais.

Já pets de focinho curto, como gatos e cães braquicefálicos (por exemplo, pugs e bulldogs) têm tendência a desenvolver câncer no pulmão, uma vez que estes cancerígenos não ficam presos no focinho.

Seu pet pode te ajudar a parar de fumar 

Os pets são responsáveis por trazer diversos benefícios para as nossas vidas,  desde companhia e amor até incrementos na imunidade! Porém, um dos benefícios mais importantes e muitas vezes menosprezados é a mudança de hábitos. 

Quantas vezes você largou a TV ou o celular pois o seu cachorro precisava dar uma voltinha? Muitas, né?

Eles são diretamente responsáveis por aumentarmos nossas atividades físicas e temos mais contato com o meio-ambiente.

Nos hábitos alimentares, essa influência também acontece. 

Aqui na Mascote Fit não é raro recebermos depoimentos de tutores que passaram a olhar para a própria alimentação com mais cuidado, após perceberem os benefícios que a alimentação natural trouxe para a vida dos seus pets.

Se você ou alguém que você conhece está precisando de motivação para parar de fumar, temos uma forma de dar um empurrãozinho!

Um estudo conduzido pelo sistema de saúde Henry Ford em São Francisco demonstrou que 28,4% dos fumantes estavam inclinados a largar o cigarro ao saber dos malefícios causados aos seus pets. 

Ou seja?  1 a cada 4 pessoas pode parar de fumar, caso tenha acesso às informações deste post! 

Se falta força de vontade para parar por conta própria, conte com a ajuda daqueles olhinhos pidões irresistíveis e viva uma vida mais saudável e feliz ao lado do seu pet!

 

Fonte:

The dog as a passive smoker: Effects of exposure to environmental cigarette smoke on domestic dogs. Marcello Rodrigues Roza and Carlos Alberto Assis Viegas; Nicotine & Tobacco Research; Vol. 9, No. 11 (November 2007), pp. 1171-1176 (6 pages) Published By: Oxford University Press.